Rua Nossa Senhora dos Anjos, 720 - 3° andar, Centro - Gravataí/RS escritoriocontabilpacheco@gmail.com

Dúvidas? Esclareça conosco.
Segunda a Sexta das 08:30 às 12:00 e das 13:00 às 18:00

(51) 3488-1978

Notícias Empresarias

ANÁLISE - IPCA-15: dado acima do esperado em janeiro é negativo e reforça projeções de Selic a 10,75% em fevereiro, apontam economistas

Publicado em 27 de janeiro de 2022

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial do país, teve alta de 0,58% em janeiro frente dezembro, acima da projeção dos economistas consultados pela Refinitiv, de alta de 0,43%.

Na comparação anual, a alta foi de 10,20%, também acima da inflação de 10,04% estimada.

Na avaliação de economistas do mercado financeiro, embora tenha desacelerado em relação à alta de 0,78% no mês anterior, o dado divulgado nesta quarta (26) ainda é negativo e reforça as apostas de elevação da Selic na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para 10,75% ao ano – em linha com o projetado pelo relatório Focus, do Banco Central. Atualmente, a Selic está em 9,25% ao ano.

“Além de um quantitativo ruim, os dados ainda mostram um cenário bastante desafiador para inflação. Serviços e bens industriais continuam a indicar que as pressões provenientes dos gargalos na cadeia de suprimentos e da reabertura da economia se mantém relevantes”, aponta Luca Mercadante, economista da Rio Bravo.

O economista avalia ainda que, com a chegada da variante ômicron ao país, as restrições na oferta devem fazer com que a pressão sobre esses preços perdurem. “Esse dado, ainda que indique uma inflação ainda desafiadora para economia brasileira não deve, pelo menos para a próxima reunião do Copom, mudar os rumos esperados da política monetária.”

A opinião é compartilhada por Felipe Sichel, estrategista-chefe do Modalmais, que diz esperar uma elevação de 150bps na Selic em fevereiro.

Segundo ele, o IPCA segue com uma composição desfavorável, com acelerações disseminadas e recuos concentrados. A queda em Transportes observada em janeiro, diz, não deve se repetir nos próximos meses, dada a defasagem da gasolina e a dinâmica das passagens aéreas.

Por outro lado, a avaliação é de que as pressões sobre as medidas subjacentes, tanto de indústria quanto de serviços e núcleos, apresentam relevante persistência.

“Essas surpresas adicionam risco altista à nossa projeção para o IPCA fechado de janeiro, atualmente em 0,37%”, diz.

Alexsandro Nishimura, economista e sócio da BRA, avalia que o resultado parece dificultar um discurso mais “dovish” (de manter os juros em um patamar mais baixo) do Copom, que se reunirá na próxima semana.

Para o encontro de março, Nishimura aponta que existe mais dúvida com relação à trajetória dos juros, com maior precificação pelo mercado de uma redução do ritmo, para alta de 1 ponto.

Já Alberto Ramos, economista do Goldman Sachs, afirma que o cenário atual exige cautela.

Em relatório, ele escreve que a inflação, além de muito alta, está altamente disseminada. Além disso, ele cita um risco crescente de que os mecanismos retroativos de fixação de preços e salários (com a redefinição de contratos salariais incorporando ajustes de custo de vida) mantenham a inflação crescente inercial (fixa).

“O atual cenário desafiador de inflação e o pivô ‘hawkish’ [favorável a juros mais altos] do Fomc exigem uma calibração conservadora da política monetária.”

Fonte: Infomoney

Voltar a listagem de notícias

Venha fazer uma parceria de Sucesso! Encontre em nossa empresa tudo o que precisa.

Redes Sociais

Conheça e siga nossos canais. Interaja, fale conosco pelos nossos perfis e saiba de todas as novidades.